Construídas sobre a fragilidade e complexidade do humano, algumas experiências criativas podem ser ilustrada a partir de cinco objets trouvés recolhidos de escritos – tanto aqueles poéticos como aqueles teóricos – de Boaventura de Sousa Santos: vazio; insegurança; esterilidade; desassossego; ausência. Tais termos são interpretados como negatividades reversíveis. Referem-se a condições que deslocam o humanismo clássico – com sua sólida capacidade racional – em direção a uma situação tecida de incertezas. O humanismo, consciente de sua impossibilidade antropocêntrica, reaparece como exercício da generosidade e da alteridade. Reconhecer o outro, transportando-o da condição de objeto à de sujeito, transforma antigas práticas em experiências emancipatórias. Nesse deslocamento humanista, como o sujeito aceitar-se-ia incapaz de progredir em linha reta, e em vez disso desenhar novas trajetórias? Os cinco objets trouvés, associados a certas práticas em arte e arquitetura, geram uma construção possível na paisagem teórica atual. [...]

link artigo completo

http://geografiaportatil.org/files/gimgs/59_neistat.jpg
Neistat Brothers. 2004