O que interessa ao historiador do cotidiano é o invisível. Não exatamente o invisível, mas aquilo que quase não se vê por ser tão minúsculo, aparentemente insignificante ou completamente imantado em ações praticadas por todos, dia após dia. Nessa repetição ritmada do cotidiano, e paralelamente à cronologia irrefreável do passar dos anos que parece tudo envelhecer, há um tempo partilhado, o tempo comum das pequenas histórias que a todos se destina e em todos se reedita, tempo que nos enlaça através de atos reincidentes que têm a curiosa característica de serem singulares cada vez que ocorrem. [...]

MARQUEZ, Renata (Org.). Lição de coisas. Nydia Negromonte
Belo Horizonte: Museu de Arte da Pampulha, 2012. ISBN 987-85-98964-09-6

pdf texto completo

http://geografiaportatil.org/files/gimgs/68_capa-licao-de-coisas.jpg
Nydia Negromonte, 2012